- Publicidade -

A segunda rodada do Campeonato Paulista começa hoje. Entre os gigantes do estado, nessa quarta teremos Guarani x Corinthians e Botafogo x Palmeiras. Na quinta-feira, São Bento x Santos e Novorizontino x São Paulo. Basta uma rodada para chegar a uma conclusão precipitada de uma perspectiva já precipitada que pode se ter tido na estreia.

Quem se saiu melhor foi o São Paulo, com goleada (4×1) de virada sobre o Mirassol depois de um susto com gol contra. Espera-se mais do time esse ano do que em 2018. O placar largo pode ter dado a sensação de “agora vai”. Porém não foi esse o sentimento após sair atrás no placar. Um tropeço no segundo jogo pode voltar a levantar todas aquelas dúvidas de um passado recente, inclusive se André Jardine é o nome certo para o comando técnico.

O Santos venceu a Ferroviária pelo placar mínimo após muito insistir. Não importa a época, o 1×0 será sempre visto como “vitória no sufoco”, embora quem tenha visto o jogo saiba que o time da Vila não foi ameaçado e esteve em cima o tempo todo. Há quem pense que nem Sampaoli dá jeito nesse time, que não vive boa fase nem no campo e nem financeiramente, e esse ano será de novo sofrido. Uma boa sequência de vitórias mais uma vez pode fazer todos mudarem de idéia.

Palmeiras e Corinthians empataram seus jogos por 1×1, contra Red Bull e São Caetano, respectivamente. Quando o Palmeiras abriu o placar, quem é que não pensou: “ninguém segura mais”? Ou que quando acabou empatado foi o famoso “salto alto” dos jogadores? Ou até mesmo que foi um vexame não vencer, e se não levar o Paulistão será um fracasso? O pensamento de um gol para o outro pode ter mudado.

O mesmo para o Corinthians, que após sair atrás no placar em sua casa, poderia estar demonstrando que novamente teria um ano difícil. O empate no último segundo trouxe um alívio enorme.

Resumindo: Independentemente do que aconteça no segundo jogo, não vai reforçar o que pode ter se pensado na primeira rodada. Em cada um dos jogos, os torcedores sentiram um pouco de tudo. Um gol ou uma análise somente em cima do resultado pode passar uma impressão equivocada. Apostas? Claro, todos fazemos. Afirmações? Nesse momento, impossíve

- Publicidade -